Revista de Economia e Administração – vol. 5 – n° 1

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa

Sumário

O e-learning e a estratégia competitiva

Ronaldo Pedro da Silva

Fernando A. Ribeiro Serra

Mauricio Andrade de Lima ……………………………………….. 1 – 11

Lógica fuzzy para tomada de decisão em negócios e finanças

Marco Antonio Leonel Caetano…………………………………. 12 – 39

A gestão do valor do cliente e a otimização de recursos de marketing: um estudo sobre o desempenho de empresas hoteleiras

Jabdinardo Moreira Barreto de Oliveira

Ana Augusta Ferreira de Freitas

Mauro Lemuel de Oliveira Alexandre …………………………. 40 – 60

Análise das demonstrações financeiras de bancos estatais brasileiros em face do postulado da entidade

Antonio Carlos Coelho

Eliseu Martins ……………………………………………………… 61 – 81

Produtividade e convergência nos estados brasileiros: uma análise setorial entre os anos de 1985 e 1999

Fausto José Araújo Vieira ………………………………………. 82 – 95

A diferenciação dos grupos 1 e 3 de municípios paulistas, segundo o IPRS, a partir das transferências constitucionais e das receitas tributárias: uma aplicação de análise discriminante

Patrícia Siqueira Varela

Milton Carlos Farina

Maria Aparecida Gouvêa ………………………………………. 96 – 115

Causalidade Selic-Ibovespa revisada

Fernando Siqueira dos Santos

Roberto R. A. Prado …………………………………………… 116 – 138

Resumo

O e-learning e a estratégia competitiva

Ronaldo Pedro da Silva

Fernando A. Ribeiro Serra

Mauricio Andrade de Lima

Resumo

O presente trabalho teve como motivação principal a inquietação perante os impactos do e-Learning na estrutura do setor de educação superior, pelas idéias propostas por Porter em seu artigo, Estratégia e a Internet. Analisando as possibilidades e o setor de Instituições de Ensino Superior (IES), os impactos do e-Learning foram identificados por quatro tendências negativas: (1) o baixo domínio tecnológico pela média do setor; (2) a propriedade expansionista; (3) o favorecimento a novos entrantes, principalmente estrangeiros, no mercado de educação superior; (4) o estímulo à criação de Universidades Corporativas. Sugere-se que uma IES deve procurar minimizar ou neutralizar as tendências negativas apresentadas, através da definição de um posicionamento estratégico que procure encontrar o equilíbrio entre atividades virtuais e presenciais para melhor atender às necessidades dos alunos. Como sugerido, a educação à distância deve estar vinculada à estratégia, evitando a competição entre a equipe que trabalha com a educação presencial e a que trabalha com a educação virtual.

Lógica fuzzy para tomada de decisão em negócios e finanças

Marco Antonio Leonel Caetano

Resumo

A lógica tradicional baseada em dois valores Verdade e Falso às vezes é inadequada para construir algoritmos e modos de resolução de problemas. A lógica fuzzy (nebulosa) usa conjuntos com intervalos 0 (Falso) e 1 (Verdade) para descrever certas interações de diversas variáveis de processos que seriam difíceis de elaborar em lógica tradicional para algoritmos. Funções chamadas de pertinência (“membership functions”) são ajustadas com regras de decisões elaboradas por especialistas. A lógica fuzzy é aplicada sobre regras baseadas em automáticas tomadas de decisão. Recentemente, a lógica fuzzy tem estado presente em aplicações no mundo dos negócios. Este artigo apresenta algumas dessas aplicações de lógica fuzzy, em especial na tomada de decisões na fixação da taxa de juros no Brasil e em decisões de investimento.

A gestão do valor do cliente e a otimização de recursos de marketing: um estudo sobre o desempenho de empresas hoteleiras

Abdinardo Moreira Barreto de Oliveira

Ana Augusta Ferreira de Freitas

Mauro Lemuel de Oliveira Alexandre

Resumo

O estudo analisa a relação entre a otimização de recursos de marketing e seu efeito sobre o desempenho de estabelecimentos hoteleiros brasileiros. Para calcular a otimização destes recursos, propõe-se a utilização das metodologias de gestão do valor do cliente desenvolvidas por Blattberg e Deighton (1996) e Berger e Bechwati (2001). O tipo de pesquisa é exploratório-descritivo, realizado em hotéis de Fortaleza, Natal e João Pessoa entre 2001 e 2003. A amostra é não-probabilística por conveniência. O tratamento dos dados foi realizado através da análise de séries temporais e do coeficiente de correlação de Pearson. Após uma interpretação das variáveis dos modelos na realidade do setor hoteleiro, os resultados sugerem a existência de uma relação positiva entre a otimização dos recursos de marketing e o desempenho em termos de lucro e taxa de ocupação. Uma crítica à teoria sobre gestão do valor do cliente, em seus aspectos conceituais e práticos, é finalmente conduzida.

Análise das demonstrações financeiras de bancos estatais brasileiros em face do postulado da entidade

Antonio Carlos Coelho

Eliseu Martins

Resumo

Examina-se a relação entre demonstrações financeiras de bancos públicos e o atendimento ao Princípio da Entidade, e a implicação para a avaliação dessas instituições estatais. Revisam-se os conceitos associados ao Princípio, as teorias contábeis associadas à Propriedade, da qual decorre o Postulado Ambiental. Apresentam-se casos em que se discute o assunto. Ao se analisar as demonstrações do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal quanto a ativos e passivos relacionados ao acionista majoritário, constatam-se discrepâncias entre a elaboração dessas peças, a legislação existente e os Princípios Contábeis Geralmente Aceitos (PCGA). As estatísticas levam à conclusão de que as variáveis “Títulos Públicos/Ativo Total” e “Valor de Mercado/Valor Patrimonial Contábil” discriminam significativamente entre bancos públicos e privados.

Produtividade e convergência nos estados brasileiros: uma análise setorial entre os anos de 1985 e 1999

Fausto José Araújo Vieira

Resumo

Este trabalho analisa o comportamento da produtividade setorial em 26 estados brasileiros no período de 1985 a 1999. A primeira parte do exercício apresenta algumas estatísticas descritivas, a estimação do produto por trabalhador setorial usando o modelo de Solow e decompõe a produtividade em efeitos distribuição e crescimento. A segunda parte analisa a convergência entre os setores estaduais, tanto em termos de convergência absoluta quanto condicional. Ao se considerar o estado estacionário, todos os setores estaduais convergiram.

A diferenciação dos grupos 1 e 3 de municípios paulistas, segundo o IPRS, a partir das transferências constitucionais e das receitas tributárias: uma aplicação de análise discriminante

Patrícia Siqueira Varela

Milton Carlos Farina

Maria Aparecida Gouvêa

Resumo:

Este estudo teve como objetivo verificar se os municípios paulistas, especificamente os grupos de municípios caracterizados pelo Índice de Responsabilidade Social Paulista (IPRS) como “municípios-pólo” e “municípios saudáveis, mas com baixo desenvolvimento econômico”, podem ser diferenciados com base nos valores per capita de transferências do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), quotas-parte do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e da receita tributária arrecadada. A premissa foi a existência de influência da distribuição do FPM no desempenho dos grupos de municípios ao servir como dispositivo de redistribuição de renda, compensando a menor capacidade tributária dos municípios de menor porte. A avaliação do comportamento dos três tipos de receitas públicas em dois grupos selecionados de municípios foi realizada por meio da técnica de análise discriminante. Os resultados evidenciam que os critérios de distribuição do FPM contribuem para a eqüidade das receitas disponíveis, apoiando os governos municipais no desenvolvimento das suas políticas públicas.

Causalidade Selic-Ibovespa revisada

Fernando Siqueira dos Santos

Roberto R. A. Prado

Resumo:

Em trabalho recente, Grôppo (2005) analisa, entre outras coisas, as relações entre a taxa Selic e o Ibovespa, chegando aos resultados que existe uma correlação positiva entre a taxa Selic e o Ibovespa, que o Ibovespa “causa no sentido de Granger” a taxa Selic e que a taxa Selic não “causa” o Ibovespa. Além disso, o autor sugere que a explicação para a relação positiva é que as empresas têm aplicações financeiras indexadas à taxa Selic. O objetivo deste trabalho é analisar esses resultados sob a ótica macroeconômica e de finanças, dado que tal lógica nos sugere que tais relações sejam, no mínimo, bastante indiretas. O resultado de nosso trabalho é que o mercado de ações reage negativamente às taxas de juros futuros e reage positivamente às expectativas de aquecimento da atividade econômica, que por sua vez é um importante indicador da função de reação do Banco Central. Assim, a conclusão é a de que o Ibovespa é um bom indicador antecedente do nível de atividade econômica, em particular das expectativas do mercado de renda variável, que depende de tal informação para a formação de preços.

voltar

 Insper – Revista de Economia e Administração – 10 anos

Insper
linkedin facebook twitter youtube flickr

Insper

Rua Quatá, 300 - Vila Olímpia
- São Paulo/SP -
Brasil
| CEP: 04546-042
| Tel:
(11) 4504-2400

Webmail | Intranet Corporativa
Todos os direitos reservados

Mapa do site Notícias Acessibilidade Fale conosco