Home/Noticias/Os “zé manés” do terror e a nossa responsabilidade no debate público