Logo InsperAgroGlobal
Análises, notícias e reportagens sobre o agronegócio.
Esta newsletter é uma iniciativa vinculada ao Centro de Gestão e Políticas Públicas

Edição 5 ● 20 de abril de 2022
Quero assinar
ENERGIA
Os riscos da transição energética global e as oportunidades para o Brasil
O mundo busca uma matriz de energia mais limpa para reduzir as emissões, mas a guerra entre a Rússia e a Ucrânia traz incertezas ao setor. O Brasil se encontra em uma situação mais confortável pelo amplo uso de renováveis. Mas e no futuro?
Colheita de cana em São Paulo

Com a emergência das ações globais para mitigar as emissões de gases de efeito estufa, o mundo passou a vivenciar um lento processo de transição energética. Como a atividade de geração de energia é responsável por cerca de 76% das emissões mundiais de GEE, grandes incentivos a energias renováveis e eletrificação de frota de veículos vêm sendo verificados e intensificados desde a última década, concomitantemente a um maior controle e restrição no uso de combustíveis fósseis e de outras fontes emissoras.

No entanto, os efeitos do conflito entre a Rússia e a Ucrânia expuseram que o mundo ainda segue altamente dependente da energia fóssil e que os investimentos realizados em renováveis até o momento não foram implementados em velocidade suficiente para suprir a demanda crescente por energia, além do problema de essas fontes serem, na sua maioria, intermitentes, pois a disponibilidade de sol, água, vento e biomassa para a produção de energia depende das forças da natureza, não sendo contínua e segura o tempo todo.

Gráfico
Leia mais
MEIO AMBIENTE
Emissões da agropecuária brasileira: ameaça ou oportunidade?
A necessidade de reduzir as emissões de gases de efeito estufa do setor cria possibilidades para aprimorar os sistemas de produção de carne, o manejo do solo e o uso de resíduos orgânicos
Gado Guzerá na região Centro-Oeste

No Brasil, a agropecuária é a segunda maior fonte de emissões de gases de efeito estufa, respondendo por 27% do total — a primeira é a mudança no uso da terra (leia-se desmatamentos), tema já tratado em artigo anterior. As emissões da agropecuária estão relacionadas principalmente ao gás metano (CH4) oriundo do processo digestivo de fermentação entérica dos animais ruminantes e ao óxido nitroso (N₂O) proveniente do incremento de nitrogênio no solo, seja por meio do manejo de dejetos de bovinos no pasto, como adubo, seja pela utilização de fertilizantes sintéticos (solos manejados).

Ainda que haja controvérsia sobre o real tamanho do rebanho bovino brasileiro — diferentes fontes estimam algo entre 190 milhões e 250 milhões de cabeças —, o país certamente figura na primeira ou segunda posição mundial. O grande rebanho emite quantidade significativa de metano, que responde por cerca de 17% das emissões brasileiras.

A redução das emissões brasileiras está, portanto, atrelada ao processo de produção da carne bovina, indo ao encontro da agenda de modernização da pecuária em curso, mas que precisa ser acelerada. Isso significa abandonar o modelo de expansão “horizontal”, baseado na abertura e na rápida degradação de áreas de vegetação nativa, e adotar um modelo de produção apoiado em melhoramento genético dos animais, redução de seu ciclo de vida e manejo intensivo do pasto.

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL
Diversificar a pauta de exportações fortaleceria o agronegócio brasileiro
Sueme Mori, diretora de relações internacionais da Confederação da Agricultura e Pecuária, aponta caminhos para o setor, em especial para pequenos e médios produtores
Imagem de satélite do estado do Pará captada pela Nasa
Sueme Mori, da CNA

Faz relativamente pouco tempo que o Brasil se tornou uma potência global na exportação de alimentos. Ainda há muito espaço para crescer, contudo. É saudável, e necessário, continuar comercializando grãos, mas a pauta brasileira pode se tornar menos concentrada em soja e na China, com a diversificação das opções e a ampliação do número de produtores envolvidos no esforço exportador.

Essa é análise de Sueme Mori Andrade, diretora de relações internacionais da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, a CNA. A instituição desenvolve uma série de ações para fortalecer o poder exportador do setor, como o programa AgroBrazil, uma iniciativa que leva embaixadores e outros diplomatas para conhecer propriedades rurais brasileiras. Em entrevista, Sueme apresenta sua visão do comércio internacional e aponta caminhos para a expansão do setor.

Leia mais

VÍDEO
O futuro das pastagens e a revolução da integração lavoura-pecuária-floresta
Reveja o debate sobre o potencial de uso da terra no Brasil sob a perspectiva das pastagens
Floresta com um rebanho

A agricultura, a pecuária e a silvicultura ocupam cerca de 30% do território do Brasil, ou 260 milhões de hectares. Desse total, as pastagens representam quase 70%, abrangendo uma área ao redor de 175 milhões de hectares, dos quais mais de 90 milhões se encontram em condições de degradação. Esse cenário traz uma oportunidade para o Brasil avançar em duas frentes: na expansão agrícola sustentável, por meio da intensificação produtiva, e na restauração florestal.

Para entender o potencial de uso da terra no Brasil sob a perspectiva das pastagens, reveja o debate O futuro das pastagens e a revolução da integração lavoura-pecuária-floresta, realizado em junho de 2021 pelo Insper Agro Global e pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri). Para ver uma versão condensada de 25 minutos do vídeo, clique aqui. E para assistir a uma versão mais sintética, de 5 minutos, clique aqui.

ESTUDE NO INSPER – INSCRIÇÕES ABERTAS
Gestão e Governança no Agronegócio
Icone data Início das aulas: 9 de maio

O curso online Gestão e Governança no Agronegócio, com 30 horas, é voltado a gestores, empresários e produtores ligados ao agronegócio que buscam maior compreensão sobre conceitos e ferramentas para a gestão de negócios agrícolas.
ACONTECE NO INSPER
Lançamento de Nós do Brasil, livro de Zeina Latif
25 de abril, às 18h

Em Nós do Brasil – Nossa Herança e Nossas Escolhas (Editora Record), a economista Zeina Latif faz uma análise histórica e econômica dos entraves ao desenvolvimento do Brasil. O lançamento do livro acontecerá no auditório do Insper, em um debate com a presença da autora, da cientista política Maria Hermínia Tavares e do economista Samuel Pessôa. O evento terá transmissão online.

Dialogando com Pais Fundadores
26 de abril, às 19h30

O Insper Talks promove o webinar Dialogando com Pais Fundadores, com a apresentação das histórias de três membros de 2ª geração que viveram e vivem a longa caminhada de relacionamento com seus pais. O bate-papo será mediado por Thiago Penido, 3ª geração do Grupo Serveng e sócio da Trail Governança e Sucessão.

CASO VOCÊ TENHA PERDIDO...
O Urso, o Dragão e os desafios brasileiros no agronegócio
A aproximação entre a Rússia e a China pode resultar em grande cooperação no setor — tendência que exige crescente atenção do Brasil
Geopolítica e desafios do agro brasileiro em tempos turbulentos
Insper Agro Global e Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri) retomam seu Ciclo de Debates reunindo especialistas e lideranças do mercado
“Precisamos usar a capacidade de planejamento da China e sua visão de longo prazo”
Uma das maiores especialistas nas relações entre o Brasil e a China, Larissa Wachholz fala sobre como o agronegócio pode tirar proveito da parceria entre os dois países
Obrigado pela leitura!
Você recebeu este e-mail porque tem uma ligação com o Insper ou se inscreveu para assinar esta newsletter.
Quero assinar
Logo Insper Logo Insper
Respeitamos a sua privacidade. Se não quer receber mais, clique aqui.
Ícone do Linkedin Ícone do Facebook Ícone do Twitter Ícone do YouTube Ícone do Instagram