Revista de Economia e Administração – vol. 10 – n° 4

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa

Sumário

Impactos das notificações ao acordo de barreiras técnicas nas exportações de produtos químicos do Brasil

Carolina Rodrigues Corrêa e Orlando Monteiro da Silva………………….471-492

Estágio de desenvolvimento da responsabilidade social em companhias de água e esgoto: um estudo sob a perspectiva dos gestores da área de RSE

Lúcio Gemaque Souza, Augusto Cézar de Aquino Cabral, Sandra Maria dos Santos e Maria Naiula Monteiro Pessoa……………….493-519

Análise não-paramétrica para as estimativas de risco nos mercados de ações globais: Value-at-Risk, Expected Shortfall e medidas de risco espectrais

Leandro Maciel…………………………………………………………………………..520-539

Comportamento de consumidores de instituições financeiras antes e após um processo de fusão

Daniel Kamlot, Veranise Jacubowski Correia Dubeux e Luiza Nolasco Vieira de Castro…………………………………………………….540-563

Marketing glocal: marketing global com estratégias locais como vantagem competitiva de mercado

Lara Vaccari……………………………………………………………………………….564-590

Opções de swing no mercado brasileiro de energia elétrica

Mario Domingues de Paula Simões, Denis Luis de Oliveira, Antonio Carlos Figueiredo Pinto, Marcelo Cabus Klotzle e Leonardo Lima Gomes………………………………………………………………..591-610

Impactos das notificações ao acordo de barreiras técnicas nas exportações de produtos químicos do Brasil

Carolina Rodrigues Corrêa

Orlando Monteiro da Silva

Resumo

Um dos setores de grande relevância para o Brasil é o de produtos químicos. Em 2008, o setor alcançou 3% de participação no PIB total do país. Apesar disso, o Brasil ainda é deficitário nesse segmento e as barreiras técnicas contribuem para a elevação e perpetuação do déficit. Assim, é importante verificar seu efeito nas exportações brasileiras de produtos químicos para os principais parceiros comerciais. Foram levantadas as notificações relevantes, previstas no acordo de barreiras técnicas da OMC, que foram divididas por tipo de exigência: alterações no produto, no processo, e/ou procedimentos de avaliação de conformidade. Estimou-se uma equação de regressão baseada no modelo gravitacional e foi verificado que as notificações relativas aos procedimentos de avaliação afetam positivamente o comércio. As demais notificações não apresentaram efeitos significativos. Os órgãos responsáveis devem estar atentos às notificações e buscar seus direitos junto à OMC quando alguma delas apresentar interesses protecionistas.

Palavras-chave: Comércio internacional; Barreiras técnicas; Produtos químicos.

Estágio de desenvolvimento da responsabilidade social em companhias de água e esgoto: um estudo sob a perspectiva dos gestores da área de SER

Lúcio Gemaque Souza

Augusto Cézar de Aquino Cabral

Sandra Maria dos Santos

Maria Naiula Monteiro Pessoa

Resumo

Na esfera privada, há diversas motivações para a responsabilidade social empresarial (RSE). Já o setor público carece de incentivos. Contudo, serviços no campo da RSE, como o fornecimento de água e esgoto, devem ser providos pelo poder público. É neste contexto que se inserem as companhias de saneamento básico, foco deste estudo. Objetivando ganhos de eficiência e melhoria de serviços, estas companhias têm se reestruturado, sendo a atuação ética e socialmente responsável uma precondição. Esta pesquisa visa a investigar, no contexto das companhias de água e esgoto dos estados do Maranhão (CAEMA) e do Ceará (CAGECE), o estágio de desenvolvimento da RSE, em relação aos indicadores Ethos Valores, Transparência e Governança; Meio Ambiente; e Consumidores e Clientes. Trata-se de um estudo de caso múltiplo, realizado na perspectiva dos gestores de RSE. Constatou-se que as companhias se encontram em estágios distintos, estando a CAGECE em uma posição avançada, em direção ao estágio 4. Suas ações estão institucionalizadas e refletem uma postura proativa. A CAEMA exibe avanços em relação a alguns sub-temas, mas tem uma postura reativa, estando entre os estágios 2 e 3. Ambas evidenciam clareza quanto à compreensão da relevância do tema, tanto para responder às pressões de seus múltiplos stakeholders quanto para melhor cumprir suas missões.

Palavras-chave: Responsabilidade social empresarial; Indicadores Ethos de responsabilidade social; Saneamento básico.

Análise não-paramétrica para as estimativas de risco nos mercados de ações globais: Value-at-Risk, Expected Shortfall e medidas de risco espectrais

Leandro Maciel

Resumo

Um importante desenvolvimento nos últimos anos na gestão de riscos financeiros é a teoria das medidas de risco espectrais (MREs). MREs são medidas de risco que levam em consideração a aversão a risco do utilizador, e estão incluídas na categoria das medidas coerentes de risco. Este artigo apresenta uma estimação não-paramétrica das MREs aplicadas às posições nos índices acionários das principais economias mundiais: S&P 500, FTSE 100, DAX, CAC 40, Nikkei 225, Hang Seng, IBEX 35 e IBOVESPA, no período de fevereiro de 2000 a julho de 2007. As estimativas foram realizadas por meio da metodologia de bootstrap. Elas foram comparadas às estimativas obtidas por Value-at-Risk (VaR) e Expected Shortfall (ES). Os modelos foram avaliados de acordo com a variação de seus parâmetros condicionais, i.e., nível de confiança para VaR e ES, e o coeficiente absoluto de aversão a risco para MRE. Os resultados indicam que todas as medidas de risco consideradas aumentam significativamente e a precisão dos estimadores piora com a elevação dos respectivos parâmetros condicionais. Entretanto, com base na avaliação da proporção de falhas dos modelos, a medida de risco espectral apresentou melhores resultados, no sentido de ser um modelo com maior capacidade de previsão do risco de mercado de acordo com os dados reais.

Palavras-chave: Medidas de risco espectrais; Value-at-Risk; Expected Shortfall; Bootstrap; Risco de mercado.

Comportamento de consumidores de instituições financeiras antes e após um processo de fusão

Daniel Kamlot

Veranise Jacubowski Correia Dubeux

Luiza Nolasco Vieira de Castro

Resumo

Este artigo apresenta uma análise do comportamento dos consumidores de uma instituição financeira em dois momentos. O primeiro é o período em que havia duas organizações distintas e consolidadas no mercado, e no segundo há uma única instituição, resultante da fusão entre aquelas, além do advento da crise financeira mundial, iniciada em 2008. Para essa análise, foram obtidos dados por meio de observação participante, entrevistas por pauta e questionários, em pesquisas realizadas nos anos de 2007 e 2009. Os resultados alcançados indicam que, num primeiro momento, antes de ocorrer a fusão, as empresas tinham, cada uma, clientes com características e demandas bastante diferentes. Uma das instituições tinha uma gama de clientes mais concentrada em investimentos de maior porte, sendo mais conservadores, enquanto a outra possuía um número maior de clientes, especialmente pessoas físicas, com perfil de maior tolerância a risco e com investimentos mais diversificados. Após o processo de fusão, as atitudes dos consumidores acabaram se combinando, principalmente em relação à opção por novos produtos financeiros e decisões de investimento.

Palavras-chave: Comportamento do consumidor; Mercados financeiros; Fusões.

Marketing glocal: marketing global com estratégias locais como vantagem competitiva de mercado

Lara Vaccari

Resumo

O objetivo deste artigo é aprofundar estudos sobre Marketing Glocal, destacando a influência da cultura local no composto mercadológico de empresas globais, a fim de que elas possam obter sucesso na comercialização de seus produtos e serviços em diferentes mercados. Os conceitos de Globalização, Marketing, Marketing Glocal e Cultura são explorados. A influência da cultura no comportamento do consumidor e no composto mercadológico de empresas globais é analisada. A tipologia cultural de Hofstede é utilizada para explicar a influência da cultura na aceitação de novos produtos em novos mercados. A metodologia utilizada é composta de pesquisa descritiva, bibliográfica, de natureza qualitativa e estudo de caso de uma empresa global no setor de bebidas. Este artigo exemplifica como esta empresa global aplica estratégias glocais em seu composto mercadológico para criar vantagem competitiva de mercado. Como conclusão verifica-se que é necessário padronizar, a fim de diminuir custos e fortalecer a marca; porém, adaptações devem ser realizadas em diferentes culturas. Recomenda-se a realização de pesquisas em empresas globais de outro setor e avaliação da relação entre custo e benefício da customização para estas empresas.

Palavras-chave: Globalização; Marketing glocal; Cultura; Padronização; Adaptação.

Opções de swing no mercado brasileiro de energia elétrica

Mario Domingues de Paula Simões

Denis Luis de Oliveira

Antonio Carlos Figueiredo Pinto

Marcelo Cabus Klotzle

Leonardo Lima Gomes

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo apreçar opções de swing no mercado brasileiro de energia elétrica. Os dados do ativo subjacente consistem em 406 observações de preços de liquidação de diferenças (PLD), entre janeiro de 2003 e setembro de 2010, que foram modeladas através de um modelo aritmético de reversão à média de Ornstein-Uhlenbeck. Para o apreçamento das opções, o ativo subjacente foi modelado através de uma árvore trinomial de multi-camadas (Forest), com o auxilio de uma rotina implantada no programa Matlab®, sendo adotado o método de programação dinâmica utilizando a técnica de trás-para-diante. Os resultados demonstram que o valor das opções de swing adicionais em um contrato é decrescente com o número de opções embutidas. Após análise de sensibilidade a vários parâmetros da modelagem e contratuais, foi constatada relação direta entre prazo e volatilidade do contrato com o valor das opções, e relação indireta entre este último e a velocidade de reversão à média, a taxa livre de risco e o preço de exercício.

Palavras-chave: Opções de swing; PLD; MRM; Árvore trinomial.

 

voltar

 Insper – Revista de Economia e Administração – 10 anos

Insper
linkedin facebook twitter youtube flickr

Insper

Rua Quatá, 300 - Vila Olímpia
- São Paulo/SP -
Brasil
| CEP: 04546-042
| Tel:
(11) 4504-2400

Webmail | Intranet Corporativa
Todos os direitos reservados

Mapa do site Notícias Acessibilidade Fale conosco