Análises Insper – Spectra

A gestora de fundos Spectra Investments procurou o Insper para extrair o máximo de conhecimento de dados privados que possuía sobre a indústria. A professora e pesquisadora Andrea Minardi foi envolvida, foi estabelecida uma parceria entre as duas instituições e gerada uma base de dados sanitizados. A parceria deu origem à série de estudos Análises Insper-Spectra.

Para a gestora de fundos, a vantagem é ampliar seu conhecimento sobre este mercado, pois é especializada no setor, e gerar vantagem competitiva para seus clientes investidores. Para os professores, a parceria fornece dados que são elementos essenciais para a realização de pesquisas, que gerarão publicações acadêmicas e para o mercado e beneficiarão, por consequência, a sociedade.

Conheça todos os estudos da série Análises Insper-Spectra:

Este relatório apresenta uma visão geral da indústria brasileira de Private Equity (PE) e Venture Capital (VC) entre 1994 e 2017. Ele atualiza e amplia as análises expostas nos documentos sobre o desempenho de fundos e acordos, produzidos em 2013 e 2014, respectivamente.

 


Este estudo estima o impacto do aquecimento de mercado no comportamento das taxas de saída dos fundos de private equity brasileiros. Também compara o comportamento dessas taxas quando há compra de controle versus compra de posição minoritária e investimentos grandes versus investimentos pequenos.

 


Estudo inédito sobre os profissionais de Private Equity e Venture Capital, realizado em parceria com a Spectra Investments e a 2GET. A análise responde a vários dos questionamentos com frequência levantados por profissionais deste mercado, recém-formados e estudantes sobre qual o melhor caminho para começar uma carreira nessa indústria.

 


O quinto estudo das Análises Insper-Spectra comparou o retorno dos fundos de private equity ao saírem das empresas investidas. De acordo com os resultados, a opção que gerou maior resultado para estes fundos no período entre 1984 e 2014 foi a venda em bolsa, em comparação com a venda para outras empresas, para outros gestores de PE ou alienação do investimento para os controladores, entre outras alternativas. A saída mais comum foi venda para outras empresas.

 


Desde meados de 2015, Fundos de Pensão brasileiros começaram a expressar insatisfação com o retorno de seus investimentos em Private Equity. Como essa percepção difere da experiência que a própria Spectra vem tendo no setor, o quarto estudo da série Análises Insper-Spectra analisou a carteira desses investidores para tentar entender a origem dessa diferença de percepção.

 


  • Currency Impact in Brazilian PE/VC Deals (março/2015)

O terceiro white paper foi concluído em 2015 e também foi produzido com base em pesquisa da professora Andrea Minardi. O estudo mostra que as principais empresas de Private Equity and Venture Capital recebem financiamento de investidores estrangeiros, porém são impactados pelas correções cambiais (conversão Dólar / Real / Dólar). Minardi apresentou a pesquisa na SuperReturn Latin America 2015, a mais relevante conferência sobre Private Equity e Venture Capital da America Latina, realizada no Rio de Janeiro, de 02 a 04 de março. Em 2017, o paper foi publicado pelo The Journal of Private Equity.

 


Em 2014, a parceria deu origem a um segundo white paper produzido a partir da pesquisa da professora Andrea Minardi. O estudo foi tema de palestra de Andrea Minardi no 1º Congresso Brasileiro de Venture Capital, que aconteceu no Auditório Steffi e Max Perlman, no Insper, realizado pela Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP).

 


Primeiro resultado do projeto, iniciado em julho de 2013, o white paper finalizado em novembro do mesmo ano, mostra a performance dos fundos de Private Equity (PE) e Venture Capital (VC) levantados no Brasil entre 1990 e 2008, que foram praticamente liquidados em 2013.