Imprensa | Os tiros no escuro do centro

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa
Fonte: Correio Braziliense – 15/4/2018

A aposta no centro é, hoje, um tiro no escuro. É possível que uma candidatura com o discurso de abertura de mercado e que sinalize com a manutenção de direitos sociais chegue ao segundo turno, mas o cenário ainda é muito incerto. O agora ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, pré-candidato pelo PSDB, é o mais cotado para chegar à fase final da corrida eleitoral e ser vencedor entre as candidaturas do espectro político. Mas rachas dentro da própria base, com indefinições partindo da sucessão no governo paulista, podem comprometer os palanques do tucano. Tal divisão favorece a candidatura governista, do MDB, embora o partido também não tenha muitos motivos para comemorar. E vários outros nomes observam atentos à dificuldade dos mais poderosos politicamente em decolar, sonhando em abocanhar parte do eleitorado.

O MDB quer fazer melhor do que Ulysses Guimarães, em 1989, que abocanhou 4,73% dos votos válidos. Seria um desafio diante de divisões internas dentro do próprio partido, que ainda se divide entre o presidente Michel Temer e o agora ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles. Também joga contra a candidatura governista uma possível terceira denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Temer.

A auxiliares, Temer admite que a melhora na economia ajuda, mas falta uma melhor comunicação junto à base para convencer a montagem de uma coligação forte. A expectativa é de que a máquina pública possa jogar a favor e, assim, trazer metade do partido em torno dele e viabilizar palanques nos estados. Para isso, espera que o poder da caneta, com recursos, cargos e entrega de obras, atraia aliados.

Em outros processos eleitorais, gerir a máquina pública com tais instrumentos políticos tornava quase imbatíveis as campanhas dos candidatos governistas. Mas as suspeitas de corrupção e a previsão de uma recuperação econômica mais lenta podem desidratar o MDB nas eleições, avalia o cientista político Carlos Melo, professor do Insper. Para o especialista, Temer não conseguirá emplacar uma candidatura com viabilidade eleitoral.

“Não acredito que tenha condições de ganhar. Ele vai passar a campanha tomando pancada. Mas, do ponto de vista político, faz sentido pleitear o processo eleitoral e defender o legado”, pondera. Melo acredita que, se muito exitoso, o governo pode abocanhar uma fatia de 10% das intenções de votos válidos nas eleições. O que ainda seria insuficiente para a disputa do segundo turno. “Mas suficiente para negociar apoio com algum candidato que chegue à fase final do processo eleitoral.”

Incerteza

A retomada de uma aliança entre PSDB e MDB é incerta. Pelo menos em um primeiro turno. “No segundo turno, poderia ser o caso de os dois partidos voltarem a negociar”, admite um interlocutor de Temer. O governo espera atrair outras candidaturas ainda na primeira etapa das eleições, mas sem forçar demais a barra. A ideia é deixar outras pré-candidaturas do centro correrem livremente, angariar votos para, mais à frente, negociar a montagem da coligação.

A divisão no centro pode durar pelo menos 90 dias. Esse é o prazo em que o presidente do Sebrae Nacional, Guilherme Afif Domingos, levará avaliando a pré-candidatura pelo PSD. “Eu vou colocar o nosso carro na rua. E o que vai acontecer eu só posso avaliar daqui a três meses. Não adianta antecipar absolutamente nada. Porque agora é menos busca de articulação política e mais busca de articulação eleitoral”, destaca.

O estudo de campo é natural e deverá ser feito também por outras pré-candidaturas. A ideia é que eles tenham tempo para convencer o eleitor e saber se há disposição para apoiar. Caso contrário, o esforço pode ser em vão. “Depois, lá na frente, temos que ver com quem a gente soma ou quem vai somar conosco”, ressalta Afif. (R.C)

“A falta de uma grande liderança e de uma unanimidade compromete a aglutinação de forças ainda no primeiro turno”

voltar

Centro de Liderança e Inovação

Nosso centro atua com o objetivo de abordar a temática da liderança como um fenômeno a ser analisado a partir de contexto e dinâmica social.

Conheça a proposta do CLI.

Centro de Estudos em Negócios

Nosso centro é dedicado à produção e disseminação de pesquisas para transformar organizações e ambiente de negócios no Brasil.

Fique por dentro do CENEg.

Insper
linkedin facebook twitter youtube flickr

Insper

Rua Quatá, 300 - Vila Olímpia
- São Paulo/SP -
Brasil
| CEP: 04546-042
| Tel:
(11) 4504-2400

Webmail | Intranet Corporativa
Todos os direitos reservados

Mapa do site Notícias Acessibilidade Fale conosco