Imprensa | Gigante chinesa Baidu encerra operações no Brasil

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa
Fonte: Estadão – 5/7/2018

Empresa decidiu focar esforços em inteligência artificial e centralizar escritórios na China; em redes sociais, companhia não publica nada há meses no País
A gigante chinesa de internet Baidu está encerrando suas operações brasileiras. As informações foram confirmadas ao Estado por fontes próximas à empresa, que está traçando uma estratégia global de focar no desenvolvimento de tecnologias de inteligência artificial.

Nos últimos tempos, a empresa tem se direcionado para essa área, em pesquisas com veículos autônomos, reduzindo sua atenção a produtos voltados aos consumidores – no mês passado, ela anunciou, por exemplo, uma parceria com a Ford para o desenvolvimento de tecnologias de direção autônoma.

Para David Kallás, coordenador do Centro de Estudos em Negócios do Insper, a empresa preferiu olhar para o futuro do que insistir em um negócio com pouco potencial de crescimento. “Hoje, as pessoas já não instalam mais tantos aplicativos novos em seus smartphones, é um mercado que já passou pelo seu auge”, diz. “Por outro lado, o setor de inteligência artificial está bem aquecido e pode explodir nos próximos anos. É natural a empresa se antecipar às mudanças.”

Sobe e desce. É o ponto final de uma trajetória de cinco anos, que começou com estardalhaço, mas depois foi perdendo seu brilho: inicialmente, o plano do Baidu, que já foi chamado de “Google chinês”, era se tornar uma referência no Brasil no uso de aplicativos, buscas e navegação, com soluções de segurança, busca e otimização de performance no sistema operacional Android.

A empresa chegou a ter até 40 milhões de usuários únicos no País – maior parte deles graças ao Peixe Urbano, empresa que adquiriu em 2014 por valores não revelados e vendeu ao Groupon no ano passado. Sob a gestão da chinesa, o Peixe Urbano conquistou seus primeiros resultados positivos.

Vale lembrar ainda que, desde sua chegada ao País, o Baidu não alcançou boa fama entre os brasileiros – eram comuns as reclamações de usuários em redes sociais sobre programas da empresa, como o Hao123, instalados à revelia em seus dispositivos, ou com processos de desinstalação muito difíceis.

Para Kallás, do Insper, um fator que deve ter impactado o desempenho da empresa por aqui são as as disparidades entre Brasil e China. “A única coisa que os dois têm em comum é que são mercados emergentes. As regras do jogo são muito diferentes, entre aspectos culturais, questões regulatórias ou de direito do consumidor.”

O Baidu também sofreu com reveses nos últimos tempos no País. Duas foram marcantes: a desistência da criação do fundo Easterly Ventures, que aplicaria US$ 60 milhões, ao longo de quatro anos, em startups de estágio inicial; e uma derrota judicial para a PSafe, que acusou o Baidu de tentar prejudicá-la, acusando seus serviços de serem danosos aos aparelhos dos usuários.

Em redes sociais, a presença da empresa no Brasil também tem sido bastante diminuta: no Twitter, a marca não publica nada desde o início de 2017; o mesmo vale para sua página oficial no Facebook.

voltar

Centro de Estudos em Negócios

Nosso centro é dedicado à produção e disseminação de pesquisas para transformar organizações e ambiente de negócios no Brasil.

Fique por dentro do CENEg.

Insper
linkedin facebook twitter youtube flickr

Insper

Rua Quatá, 300 - Vila Olímpia
- São Paulo/SP -
Brasil
| CEP: 04546-042
| Tel:
(11) 4504-2400

Webmail | Intranet Corporativa
Todos os direitos reservados

Mapa do site Notícias Acessibilidade Fale conosco