Home/Noticias/Flávio Franco: “Advogado corporativo precisa ter interesse genuíno por negócios”