Home/Laboratório de Sistemas Mecatrônicos

Quem Somos

Os laboratórios de Materiais oferece apoio às disciplinas da Engenharia de Computação, Mecânica e Mecatrônica do Insper, além de atendimento a alunos e professores de todos os cursos.

O espaço possui equipamentos de caracterização de materiais metálicos, cerâmicos e poliméricos. Além da caracterização, os usuários podem realizar tratamentos térmicos de diversas ligas metálicas.

Técnicas:

Fernanda Cabrera Flores Valim possui graduação em Engenharia de Materiais pela UNESP, mestrado em Ciência dos Materiais pela Escola Politécnica da USP e doutorado em Engenharia de Materiais e Nanotecnologia no MackGraphe pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Paola Lazari de Aguiar possui graduação em Engenharia Metalúrgica e mestrado pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente realiza doutorado em engenharia metalúrgica e materiais pela Escola Politécnica da USP.

Coordenação: Joice Miagava


labmateriais@al.insper.edu.br

Microscópios ópticos de luz refletida: A luz é incidida sobre o material e a luz refletida resulta em uma imagem de acordo com a microestrutura do material. Esses equipamentos possibilitam a observação da microestrutura do material com uma ampliação de até 1000 vezes.

Equipamentos de preparação metalográfica: São utilizados para realizar a preparação da amostra para que seja possível uma boa análise em microscópio óptico. Os equipamentos dessa estação incluem uma cortadora, uma embutidora, quatro lixadeiras e duas politrizes.

Fornos mufla e tipo poço: Os fornos mufla chegam a temperaturas de até 1200 °C e permitem a realização de diversos tratamentos como o recozimento e a têmpera. O forno tipo poço pode atingir 1000 °C e permite a realização de tratamentos em banho de sal como a austêmpera.

Espectrômetro no infravermelho: Um feixe de luz com comprimento de onda na faixa do infravermelho é incidido na amostra e, com base na quantidade de luz absorvida a cada comprimento de onda, é possível determinar os grupos funcionais presentes em um material orgânico. Esse equipamento permite, por exemplo, identificar um polímero.

Fluorescência de raios X: Um feixe de raios X incide na amostra, a qual libera ondas com comprimentos característicos dos elementos químicos presentes. Assim, esse equipamento é utilizado para determinar a composição química de uma amostra de modo quantitativo. Por essa técnica, é possível detectar elementos químicos do sódio até o amerício da tabela periódica.  

Máquinas universal de ensaios: Permitem a realização de ensaios de tração, compressão e flexão, os quais fornecem as propriedades mecânicas dos materiais. Esses equipamentos suportam de 0,02 a 100 kN.

Durômetros Rockwell, Shore e micro Vickers: Possibilitam determinar a dureza dos materiais. O durômetro Rockwell é adequado para a medida em metais, enquanto o durômetro Shore é adequado para a medida em polímeros. O durômetro micro Vickers apresenta o diferencial de realizar uma medida no material extremamente pontual, da ordem de alguns micrômetros, sendo adequado para medidas em metais e cerâmicos.

PROJETOS DE INICIAÇÃO TECNOLÓGICA

Os alunos de iniciação tecnológica utilizam a estrutura do laboratório de materiais para estudar os efeitos do processamento nas propriedades dos materiais cerâmicos, poliméricos e metálicos. Dentre os projetos já desenvolvidos, encontram-se:

  • Caracterização de materiais para otimização do processo de deposição de metais com energia direcionada (DED);
  • Reciclagem do resíduo da fabricação de peças injetadas;
  • Novo método de sinterização de materiais cerâmicos avançados utilizando baixas temperaturas.

PROJETOS DESENVOLVIDOS POR ALUNOS EM FINAL DE CURSO - PFE

O laboratório de Materiais dá suporte para diferentes PFEs. Dois deles utilizaram o laboratório de modo mais extensivo:

  • Interferência dos parâmetros de processo nas propriedades mecânicas de peça obtidas por manufatura aditiva;
  • Proposta de Metodologia para Análise de Confiabilidade de Peças: estudo de caso aplicado em uma linha de envasamento da Ambev.