Home/Insper Conhecimento/Rodrigo Amantea

46% dos consumidores fecham negócios pelo celular

O consumidor respira mobilidade a cada segundo. Essa é a conclusão da pesquisa Mobile Report a respeito do comportamento do mobiler brasileiro, realizada pela Mobile Marketing Association (MMA). Por conta disso, as campanhas de marketing migraram naturalmente para as telinhas de smartphones e tablets.

O grande desafio para os profissionais do setor, entretanto, é encontrar a hora e o local certo para exibir a propaganda, que é sempre mais eficaz quando a pessoa está aberta a receber informações.

O relatório ainda mostra que 75% dos brasileiros pesquisam preços de compras pelo celular e 46% fecham negócios diretamente pelo dispositivo. “Não dá mais para pensar em uma estratégia de marketing sem considerar o mobile. O e-commerce está cada vez mais m-commerce”, afirmou Thaís Schauff, diretora de desenvolvimento de negócios Latam da MMA, durante o evento Marketing em Movimento, dia 07 de novembro no Insper.

Realizado em parceria com a Mobile Marketing Association – MMA, o evento contou com a participação de especialistas da área. Na abertura, Rodrigo Amantea, coordenador acadêmico de Educação Executiva do Insper, propôs aos participantes uma discussão sobre as novidades neste setor.

Geolocalização

Os dados coletados via mobile podem ser usados para aprimorar tanto e-commerces como lojas físicas. O Location Based Marketing é uma das chaves para fazer isso. Por meio de serviços de geolocalização, o recurso é capaz de detectar hábitos, comportamentos e necessidades dos consumidores. A partir daí, é possível investir em campanhas de marketing mais assertivas.

“É preciso analisar uma série de fatores, entre eles o local exato que a pessoa está, por quais lojas ela passou e por quanto tempo ficou dentro de cada uma delas”, contou Tiago Santos, head of sales productivity da In Loco Media, rede de anúncios mobile. Com os dados coletados, dá para identificar o público ideal e saber quando será o melhor momento para abordá-lo.

Usado por aproximadamente um terço dos motoristas brasileiros, o aplicativo de GPS Waze é uma das empresas que apostou na geolocalização e vem se dando bem. A companhia usa o recurso para divulgar marcas e produtos com base em um banco de dados com informações sobre seus usuários.

Em uma parceria com a montadora Hyundai, a plataforma divulgou o modelo HB20 Turbo de forma criativa e eficaz. Primeiro, o app mapeou as principais ladeiras do país. Assim que os motoristas paravam em uma dessas subidas, o software exibia um anúncio dizendo algo como: “precisa de mais força para subir? Conheça o HB20 Turbo”. Se o usuário aceitasse a sugestão, o GPS o levava até a concessionária mais próxima. No total, a estratégia registrou 1.800 navegações em direção às lojas.

“É muito mais fácil atrair alguém que já está em movimento do que uma pessoa que está parada dentro de casa. Em um dia de calor e trânsito intenso, por exemplo, um desvio para tomar um sorvete em um estabelecimento próximo pode ser uma boa ideia”, explicou Ana Meres, Waze Ads industry manager auto e entertainment. “Entretanto, é preciso tomar cuidado para não exagerar na quantidade de anúncios e sempre respeitar a realidade do motorista”, completou.

Foco no objetivo

Durante o evento, os profissionais destacaram que traçar um objetivo claro e saber analisar métricas são fatores essenciais para obter bons resultados com uma campanha de marketing mobile. Também é preciso estar preparado para quando o objetivo for alcançado. Se um e-commerce pretende atrair milhares de clientes, ele deve verificar, por exemplo, se o servidor será capaz de atendê-los com qualidade.

No caso de divulgações em vídeos, vale a pena observar estatísticas das principais redes sociais e analisar o comportamento do público-alvo. “No Facebook, a preferência é por vídeos mais curtos. No YouTube, por sua vez, é possível trabalhar com gravações mais longas”, conta Marcos Brabo, diretor de planejamento estratégico da Agência Ginga e um dos responsáveis pelo projeto Game Changers, série de vídeos que oferece conteúdo para o público gamer e divulga os serviços de internet da Vivo.

“A publicidade em vídeo não deve despejar informação. Ela precisa criar uma afinidade com o consumidor. No nosso caso, nos aproximamos dos jovens por meio dos temas e participantes dos episódios. Eles reuniram atletas de e-sports, youtubers, desenvolvedores brasileiros e universitários”, completou Marcos.

Segurança é essencial

Quem investe em campanhas de marketing mobile precisa estar sempre atento à segurança da marca. “É importante trabalhar com empresas que se deixem auditar e verificar possibilidades de fraudes. Muitas vezes, a campanha recebe cliques falsos de robôs, que não contribuem em nada com o objetivo central do projeto”, explicou Leila Guimaraes, Country Manager Brasil Adsmovil.

Além disso, a profissional ressaltou que a viewability pode ser uma boa métrica para garantir resultados mais assertivos. De forma resumida, ela contabiliza apenas as impressões efetivamente visíveis pela audiência. Isso evita que as empresas paguem por anúncios que não foram carregados corretamente, que não apareceram no tamanho ideal ou que ficaram na tela por menos de um segundo.

Aliar o bloqueio de fraudes à elevação da taxa de viewability permite chegar a segmentações de audiência mais sofisticadas a partir de um conjunto de dados. A estratégia é uma boa alternativa para quem pretende entregar mais anúncios a consumidores reais por meio de dispositivos móveis.