Empresas de alto crescimento e scale-ups

O que as diferencia e caminhos para a pesquisa em estudo da cátedra Endeavor

Em um cenário econômico deprimido, as empresas de alto crescimento (EACs) e as chamadas scale-up estão na ordem do dia. Embora ambas tenham características similares, como a capacidade de gerar empregos, elas não são necessariamente iguais. Afinal, o que diferencia estes dois tipos de companhias?

O tema é abordado no trabalho “Empresas de Alto Crescimento e o Desafio das Scale-up – Onde Estamos e para Onde Podemos ir”, primeiro artigo que o professor Guilherme Fowler de A. Monteiro elaborou pela cátedra Endeavor do Insper.

Empresas de Alto Crescimento X Scale-up

As EACs têm sido definidas de duas formas: grupo de empresas que experimentam o maior crescimento em dado período, por exemplo, as 10% que mais crescem em um ano; ou aquelas que crescem a determinado ritmo, ou acima dele, por um período intensivo e observável, por exemplo, companhias que crescem 20% ao ano por três anos consecutivos.

Já uma scale-up é uma EAC capaz de escalar seu modelo de negócios. Ou seja, replicar atividades ou transações de forma que consiga aumentar sua receita a um ritmo mais rápido que o crescimento de seus custos, ganhando escala.

Como exemplo de scale-up, Fowler cita o Uber, que tem apresentado crescimento consistente à medida que mais motoristas e passageiros passam a transacionar por meio de sua plataforma.

Estudos acadêmicos

O documento de Fowler reúne a literatura existente sobre EACs, dividindo em três frentes: ambiente econômico, organização e indivíduo. Também propõe uma definição mais precisa sobre empresas scale-up, além de identificar lacunas na literatura atual e sugerir caminhos para futuras pesquisas.

Entre os elementos identificados pela literatura e citados por Fowler para o surgimento das EACs há a oportunidade de mercado e a inovação, entendidas como a capacidade da empresa em melhorar a qualidade de seu produto e satisfazer seus clientes, e não necessariamente reduzir custos.

Papel do empreendedor

O ambiente econômico e a estrutura da organização, no entanto, não são suficientes para avaliar o sucesso das empresas de alto crescimento. “A literatura de EACs tem devotado atenção ao tema central da mudança do papel do empreendedor diante das diferentes fases de desenvolvimento de uma empresa que apresenta crescimento acelerado”, afirma Fowler. “Nos estágios iniciais do empreendimento, o indivíduo desempenha um papel chave na definição e redefinição do modelo de negócios.”

No estudo, o pesquisador chama a atenção para algumas incongruências na literatura em relação às scale-ups. “O debate atual sobre o tema tende a ser confuso e propenso a variadas interpretações. Muito dessa confusão deriva do fato de que qualquer scale-up é uma EAC, mas nem toda EAC é uma scale-up.”

Acesse aqui o artigo na íntegra: Empresas de alto crescimento e o desafuo de scale-up: Onde estamos e para onde podemos ir