Pequenos e Médios Empresários brasileiros estão mais confiantes com a economia do 1º trimestre de 2018

Resultado é do Índice de Confiança do Pequeno e Médio (IC-PMN), que registrou crescimento de 3,76% para o período

A perspectiva para o primeiro trimestre de 2018 é otimista entre os pequenos e médios empresários brasileiros. É o que mostra o resultado do Índice de Confiança do Pequeno e Médio Empresário (IC-PMN), ao somar 66,7 pontos, uma alta de 3,76%. O crescimento foi acompanhado em quase todos os quesitos analisados, na comparação direta com o trimestre anterior. A pesquisa é elaborada pelo Centro de Estudos em Negócios do Insper, com apoio do Santander.

“Os resultados mostram que a atividade econômica começa finalmente a mostrar sinais de recuperação consistente. Acreditamos que a combinação de inflação baixa, que permite a recuperação da renda real, com taxas de juros nas mínimas históricas, criou um cenário favorável para a volta do crescimento. A leitura positiva do cenário por parte dos empresários deve contribuir para consolidar essa recuperação”, afirma Gino Olivares, professor e pesquisador do Insper.

Resultados positivos

Os empresários entrevistados estão mais confiantes principalmente em relação à economia. O item obteve a maior alta do indicador com 6,3%, (65,7 pontos), quando comparado com o último trimestre de 2017. O resultado positivo também é acompanhado na avaliação sobre o lucro, com acréscimo de 4,2%, (71,9 pontos). Variações positivas também foram observadas nos outros quatro quesitos: empregados, alta de 3,5% (58,9 pontos) e investimento, com aumento de 3,2% (63,2 pontos), ramo, crescimento de 3,1% (69,3 pontos) e faturamento, elevação de 2,3% (71,1 pontos).

Na comparação direta com o trimestre antecessor por regiões, o IC-PMN registrou resultados positivos no Nordeste e Sul, com crescimento de 5,5% cada, (66,7 pontos e 66,6 pontos, respectivamente), seguidos do Sudeste, alta de 3,3% (66,6 pontos) e Centro Oeste, acréscimo de 3,1% (66,2 pontos). Interrompendo a trajetória de crescimento, os empresários do Norte sinalizaram menos confiança para o período, com recuo de -1,9%, em relação aos últimos três meses do ano passado.

Serviços em alta

A melhora também aparece em todos os indicadores da indústria, serviços e comércio, nas avaliações sobre os setores da economia. A confiança para serviços obteve a maior alta, com 5,2% (para 67,3 pontos), seguido do comércio com 4,0%, (67,1 pontos) e indústria, com alta moderada de 0,6%, (64,6 pontos), nas comparações diretas com o quarto trimestre de 2017.

“O Santander não deixou de estar ao lado do pequeno e médio empresário nos momentos mais adversos. Estamos prontos para apoiá-lo nas suas decisões para a retomada da expansão dos seus negócios, com soluções financeiras adequadas às suas necessidades”, afirma Alexandre Teixeira de Araújo, superintendente executivo do segmento Negócios & Empresas do Banco Santander.

Os dados do IC-PMN foram obtidos por meio de entrevistas telefônicas com 1.263 pequenos e médios empresários de todo o País, dos setores da indústria, comércio e serviços. A margem de erro do índice é de 1,4% para mais ou para menos, com um nível de confiança de 95%.