Alta da Selic afeta pequenas e poupa grandes, diz estudo

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa

O aumento da taxa básica de juros, a Selic, tem efeito menor para grandes empresas, que recebem créditos com juros determinados pelo governo, e afeta mais as pequenas, que não têm acesso a esse benefício.

É o que aponta estudo do professor Marco Bonomo, coordenador do Centro de Finanças do Insper, e de Bruno Martins, do Banco Central. A pesquisa foi tema de matéria na Folha de S. Paulo:

Alta da Selic afeta pequenas e poupa grandes, diz estudo

Uma política governamental que em 2015 custou ao país R$ 428 bilhões tem impacto menor que o desejado devido a outra política, também do governo federal. Estudo inédito aponta que o aumento da taxa básica de juros, a Selic, definida pelo Banco Central, tem efeito menor para empresas que recebem créditos com juros determinados pelo governo do que para companhias sem acesso a esse benefício.

O governo define os juros que bancos públicos emprestam em algumas linhas de crédito, subsidiando parte deles, com a intenção de estimular investimentos de longo prazo e o consumo.

O trabalho, que analisou empréstimos e nível de emprego em 300 mil companhias entre 2006 e 2012, aponta que, quando o BC sobe a Selic, as empresas sem acesso ao crédito dirigido pagam juros maiores, pegam menos empréstimo e reduzem mais a quantidade de empregados em relação às com acesso às linhas de financiamento subsidiadas dos bancos públicos.

O trabalho mostrou que as empresas com acesso aos créditos dirigidos são grandes, o que faz com que os efeitos dos aumentos da Selic sejam sentidos apenas nas pequenas empresas.

“A Selic não tem efeito para firmas muito grandes (mais de 500 empregados), e o efeito é máximo para firmas intermediárias (10 a 50 empregados)”, aponta o trabalho desenvolvido pelos pesquisadores Marcos Bonomo, do Insper; e Bruno Martins, do Banco Central.

Na prática, o crédito para empresas pequenas fica tão caro que elas acabam fora do sistema bancário. Pesquisa do Sebrae aponta que 48% delas nem chegaram a pegar empréstimo em bancos nos últimos cinco anos e a principal forma de se financiar foi atrasando o pagamento de fornecedores (67%).

JUROS

A Selic é a média dos juros pagos pelos empréstimos do governo e é definida pelos diretores do Banco Central em reuniões a cada 45 dias. O banco usa essa taxa como um dos instrumentos para controlar a inflação e estimular ou não o crescimento do país.

Na teoria usada pelo Banco Central, aumentar a Selic tem a intenção de tornar o crédito mais caro, reduzindo sua oferta e, com isso, retirar o incentivo ao consumo. Com menos consumo, as empresas tendem a reduzir preços e a inflação cai. Ao reduzir a Selic, o efeito seria o inverso.

Por outro lado, o aumento da Selic faz o governo pagar juros mais altos para financiar sua dívida. Desde 2013, o BC tem aumentado a Selic para tentar deter a inflação.

O valor pago anualmente pelo governo para quitar os juros que incidem sobre a dívida pública saltou de R$ 201 bilhões em 2011 para R$ 428 bilhões em 2015, três vezes mais do que o governo gastou com educação (R$ 95 bilhões), por exemplo.

Vários economistas vinham apontando que os efeitos de aumento da Selic acabam não sendo os esperados por causa dos créditos que os bancos públicos concedem não vinculados a essa taxa.

É o caso por exemplo da TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo) que regula parte dos empréstimos do BNDES para grandes obras e compra de máquinas. Esses empréstimos têm subsídios embutidos que, só num programa feito entre 2009/2014, o PSI (Programa de Sustentação de Investimentos), deixou uma conta de R$ 240 bilhões.

O trabalho elaborado por Marcos Bonomo e Bruno Martins mostrou que, em 2012, os valores dos empréstimos não afetados pela Selic chegaram a 51% de todos os créditos da economia. A hipótese dos pesquisadores era investigar se as empresas com empréstimos não vinculados à Selic fugiam dos efeitos esperados pelos aumentos da taxa.

Para isso, eles testaram os dados de mais de 300 mil companhias que pegaram empréstimos no período e tinham mais de um empregado registrado.

Mostraram que, para cada um ponto percentual de aumento da Selic, as empresas sem acesso aos empréstimos dirigidos pegavam 3% menos crédito, os juros ficavam 1,15% mais altos para elas e a taxa de emprego nessas firmas caia 1,19%.

Para as empresas com metade de seus empréstimos no mercado dirigido, os efeitos já começavam a diminuir. Nas companhias com 100% de empréstimos fora da Selic os efeitos são bastante reduzidos. A quantidade de empréstimos que tomam cai 2% e taxa de juros para elas sobe 0,63%. Já a taxa emprego retrai apenas 0,73%.

Matéria publicada pela Folha de S. Paulo em 22/02/2016.

voltar

Doutorado em Economia dos Negócios


O programa integra a administração e economia com o objetivo de explorar a riqueza resultante da interdependência das duas áreas. Conheça!

Centros de Pesquisa e Conhecimento

Nossos professores dedicam-se à geração de conhecimento em negócios e economia. Saiba mais.

Insper
linkedin facebook twitter youtube flickr

Insper

Rua Quatá, 300 - Vila Olímpia
- São Paulo/SP -
Brasil
| CEP: 04546-042
| Tel:
(11) 4504-2400

Webmail | Intranet Corporativa
Todos os direitos reservados

Mapa do site Notícias Acessibilidade Fale conosco