Estudo aponta a existência de poder de mercado na relação entre frigoríficos e produtores rurais

Estudo elaborado pelos pesquisadores do Insper Rodrigo Moita e Lucille Goloni mostra que existe poder de mercado na relação comercial entre produtores rurais e frigoríficos no Estado de São Paulo. Os resultados indicam ainda que a recente onda de consolidação do setor não teve reflexo na conduta competitiva das firmas.

Para chegar a essa conclusão, foram analisados os preços mensais registrados no estado de São Paulo pelo período de 14 anos. O estado foi o escolhido devido a sua importância na produção de carne, por ser um centro formador de preço e por ser o maior exportador do Brasil. Além disso, é o único a disponibilizar publicamente os dados necessários para o levantamento.
De acordo com o levantamento, os produtores rurais são muitos e distribuídos pelos principais estados produtores, enquanto que os frigoríficos são grandes e poucos. Isso sustenta a hipótese de que a indústria tem a estrutura de um oligopsônio, um ‘oligopólio de compradores’, e que, portanto, tem potencial para exercer poder de mercado sobre os consumidores. “Como o grupo de compradores é menor, ele pode negociar em condições privilegiadas, definindo o preço de venda dos seus fornecedores, tendo, portanto, potencial para exercer poder de mercado sobre os pecuaristas”, explica Moita.

O pesquisador destaca que nos últimos anos o setor passou por um importante processo de consolidação e hoje o Brasil é um dos principais players mundiais. Dados da FNP Consultoria mostram que em 2009 o Brasil foi listado como o segundo maior rebanho, com aproximadamente 200 milhões de reses, e é, desde 2004, o maior exportador mundial de carne. “Nesse processo, tanto os produtores como os frigoríficos tornaram-se mais eficientes à medida que implementaram novas tecnologias para criação e abate de animais, melhorando assim a qualidade da carne e garantindo uma oferta mais constante ao consumidor final. Mas, apesar dessa evolução, a relação de poder continuou existindo e não sofreu alterações significativas. A questão, de acordo com Moita, é que enquanto os frigoríficos passaram de pequenos e pulverizados para grandes e estrategicamente localizados nas regiões de maior produção e consumo de carne, os pecuaristas continuaram espalhados pelo país com uma produção pequena por produtor.

Moita ressalta que há tempos se diz que a indústria frigorífica exerce poder de mercado sobre os produtores de gado de corte, no entanto, poucos trabalhos no Brasil procuraram analisar esta questão de modo rigoroso. O resultado vai contra levantamentos anteriores, que rejeitam a hipótese de poder de mercado no País.

Pesquisa na íntegra: O Oligopsônio dos Frigoríficos:Uma Análise Empírica de Poder de Mercado

moita